Inventário Florestal

Manejo Florestal de Precisão

Escrito por Fernanda Carvalho

O Manejo Florestal de Precisão (MFP) é um conjunto de técnicas que utiliza alta tecnologia para conseguir melhores resultados no processo de formação, condução e aproveitamento dos recursos florestais. Por mais que seja ainda um processo pouco explorado, é um modelo do qual obtém-se o melhor aproveitamento do planejamento florestal sustentável. Além disso, ele proporciona a redução dos custos e causa um menor impacto ambiental, evitando assim, o desmatamento indiscriminado e melhor controle de produção.

O termo Manejo Florestal de Precisão é relativamente novo, mas a crescente busca por maior produtividade pelos empreendimentos florestais, fez com que esse tema ganhasse importância. Pode-se dizer que a inspiração para a prática do MFP veio da Agricultura de precisão e que toda a ciência florestal pode se beneficiar dos fundamentos dessa técnica.

O MFP é aplicável tanto para florestas plantadas, quanto para florestas nativas, independente do modelo de planejamento que foi utilizado. Com o aumento da necessidade de se alcançar maior produtividade, diminuir custos, melhorar a qualidade e desempenho, o MFP ganhou muito espaço no manejo de florestas plantadas.

Leia também: Sistemas de colheita para o Manejo Florestal

Para o caso de florestas nativas, o MPF é usado principalmente no planejamento e execução das operações de manejo florestal, que no caso da Floresta Amazônica, é aplicado no Manejo Florestal de Impacto Reduzido.

O MFP engloba vários conceitos, técnicas e atividades, envolvendo a aplicação de geotecnologias, o uso de ferramentas de decisão, inventário florestal, monitoramento de operações e a gestão de bancos de dados.

Inventário florestal no manejo florestal de precisão

 Por se tratar da fonte básica de informações qualitativas e quantitativas dos recursos florestais, o inventário florestal tornou-se uma das atividades mais importantes para a prática do manejo florestal de precisão, que junto às geotecnologias e gestão de dados, são a fonte de todos os números e detalhes da floresta. Todas as decisões e operacionalização das atividades de campo serão baseadas nessas informações.

No planejamento do inventário além da preocupação com a execução das operações, deve-se organizar as tarefas de modo que se possa prever possíveis problemas e avaliar o tempo e recursos disponíveis.

A utilização de fotografias aéreas, imagens de satélite, sistemas de posicionamento e navegação, assim como o desenvolvimento da tecnologia da informação para processamento dos dados, iniciaram o processo de evolução, que contribuiu para inventários mais eficientes, econômicos e rápidos.

Essa evolução da tecnologia contribuiu para evitar problemas de atraso, pois permitiu agilidade e maior controle da execução desde a fase inicial até a elaboração dos relatórios finais. A automatização do inventário florestal com a utilização de recursos da informática e de dispositivos de coleta de dados automatizados são fatores decisivos no cumprimento de prazos.

Veja também: Roteiro básico para elaboração de um plano de manejo florestal

Atualmente no mercado só existe um software capaz de auxiliar tanto no processamento quanto na coleta dos dados em campo, o Mata Nativa.

O Mata Nativa é um software que possui as principais técnicas de inventário e análise fitossociológica adotadas mundialmente, com aplicação efetiva em todos os biomas brasileiros. Além disso, existe uma versão para dispositivos móveis, que agiliza a coleta de dados em campo e elimina o processo de digitação das fichas de campo, diminuindo o tempo de elaboração do projeto e consequentemente reduzindo o custo do inventário florestal.

Com usuários em todos os estados brasileiros, o Mata Nativa é ferramenta de trabalho e pesquisa nas principais empresas de consultoria, órgãos de fiscalização do governo, universidades e centros de pesquisa.

Com o Mata Nativa é possível trabalhar com diferentes tipos de inventários: amostragem casual simples, amostragem casual estratificada, amostragem casual dois estágios, amostragem casual conglomerado, sistemática em um estágio, sistemática em dois estágios, realização de monitoramento, método de quadrantes e Inventário 100%.

Veja :  Todas as fórmulas dos tipos de inventários

O módulo Dados é o local onde são cadastradas todas as informações levantadas em campo, as configurações do projeto e as características do inventário realizado. O módulo Cálculos é o local onde é possível realizar todas as análises do projeto utilizando-se as informações cadastradas no módulo Dados.

Silvicultura de Precisão

A silvicultura de precisão é um modelo baseado na coleta e análise de dados e no conhecimento da produção florestal, que, diferencia-se da silvicultura convencional por tratar a área geograficamente, ponto a ponto, gerando uma intervenção localizada que melhora a eficiência na aplicação dos insumos.  Ela utiliza de tecnologias, como os sistemas de informações geográficas, sistemas de posicionamento global e o sensoriamento remoto e geoestatística, sendo esta uma das principais ferramentas de análise da variabilidade espacial, que permite avaliar a estrutura espacial e possibilita a elaboração de mapas que ajudam na identificação dos fatores que limitam a produtividade dos povoamentos florestais.

A silvicultura de precisão é recomendada em áreas em que existam variabilidade dos fatores de produção no talhão florestal e variação dos rendimentos em função deles, numa dimensão em que a relação custo/beneficio seja favorável, onde seriam aplicados manejos diferenciados em termos de adubação, controle de invasoras, pragas e doenças, ao invés do tradicional manejo.

E se você quer saber mais sobre o Mata Nativa móvel, baixe o nosso e-book sobre Coleta de dados do inventário florestal utilizando o Mata Nativa Móvel.

Veja também: 

Comentários

Sobre o autor

Fernanda Carvalho

Engenheira Florestal formada pela Universidade Federal de Viçosa. Continuou seus estudos na Technische Universität München, Alemanha, onde cursou disciplinas do Mestrado em Manejo de Recursos Sustentáveis com ênfase em Silvicultura e Manejo da Vida Selvagem. Dedicou grande parte da graduação a projetos de Educação Ambiental e pesquisas relacionadas a Celulose e Papel. Foi estagiária do Meio Ambiente Florestal da Fibria Celulose S/A trabalhando principalmente com Restauração Florestal e Formação Ambiental. Trabalhou com consultoria na Florestal jr, atuando principalmente em projetos de Inventário Florestal, Averbação de Reserva Legal e Mapeamento de Áreas. Atualmente trabalha como consultora do Software Mata Nativa na Cientec.