Inventário Florestal

Custos e orçamento do inventário florestal

Orçamento do inventário florestal
Escrito por Fernanda Carvalho

O Inventário Florestal é o procedimento para obter informações sobre as características quantitativas e qualitativas da floresta e de muitas outras características das áreas sobre as quais a floresta está se desenvolvendo.

A obtenção dessas informações apresenta custos que aumentam com o grau de detalhamento, precisão requerida, eficiência da forma como as variáveis são obtidas, entre outras informações. Em qualquer aplicação de amostragem, precisão e custo são duas variáveis intimamente interligadas e que a especificação de uma implica automaticamente na determinação da outra.

O custo do inventário florestal está associado ao tempo de serviço, dimensão da área, mão-de-obra e infraestrutura. Assim, em muitos casos é impraticável inventariar 100% da área florestada, em virtude das limitações de recursos financeiros. Por isso, tem-se a necessidade do emprego de métodos de amostragem, com o objetivo de obter estimativas precisas e eficientes de diferentes parâmetros populacionais de interesse, e com redução do custo para realização do inventário.

A determinação dos custos dos inventários florestais é um fator de real importância, pois eles podem regular, na maioria das vezes, todo o desenvolvimento do trabalho. Para se controlar os custos de um projeto de inventário, o ideal é determinar o custo por atividade ou grupos de atividades, relacionando-o com a mão-de-obra, material, equipamento e outros.

Saiba também: Como estabelecer o custo do inventário florestal

O desenvolvimento das atividades do inventário deve ser estruturado através da utilização de métodos adequados, que facilitam o trabalho da mão-de-obra e permitam que os objetivos sejam alcançados com precisão, minimizando assim, os custos do inventário.

Tipos de Custos

Pessoal

O custo de pessoal envolve os custos decorrentes de mão-de-obra, ou seja, salários, obrigações patronais e diárias.

Além das diárias, também estão relacionados ao pessoal, os custos com alimentação e hospedagem, que devem ser calculados de acordo com o custo de vida local, tendo em vista  a grande diferença nos preço que encontramos pelo país.

É interessante entender que o estabelecimento de um rendimento realizável de instalação e medição de parcelas por dia, irá ajudar a dimensionar os dias de serviço em campo, e com isso, dimensionar o número de diárias a serem cobradas pela campanha de campo.

Os outros custos são decorrentes do pagamento do pessoal sem vínculo empregatício, sendo incluídas então, as atividades de consultoria, prestação de serviços por pessoas físicas ou mesmo atividades desenvolvidas regularmente dentro do projeto, podendo ser pagos por tempo de serviço ou por atividade.

Devemos lembrar que as atividades de campo são somente uma parte do trabalho e por isso, devem ser considerados também no orçamento, os custos com pessoal para a realização do processamento de dados e elaboração dos relatórios.

Transporte

O custo de transporte de um inventário florestal dependem de vários fatores que devem ser levados em consideração no orçamento. Esse custo pode variar conforme o processo de amostragem escolhido para a área em questão, assim como o método de amostragem e forma das unidades amostrais. Depende também do tamanho da área a ser inventariada, do relevo e da sua acessibilidade. Áreas de difícil acesso e com uma rede de estradas mal elaborada aumentam a dificuldade de locomoção dentro da área, havendo assim, um acréscimo no custo de tranporte.

O local de hospedagem e alimentação das pessoas que trabalharão na área é outro fator que influencia os custos de transporte, visto que quanto mais perto o local de hospedagem e alimentação do pessoal, menor será o gasto com transporte.

No orçamento devem ser considerados os custos com combustível, manutenção dos carros, passagens, locação de veículos, peças, lubrificantes e a depreciação do veículo.

Materiais

O material de consumo é aquele que se deteriora, perdendo a sua identidade física, conforme o seu uso constante. Em Inventários Florestais, normalmente é necessária uma grande quantidade de material de consumo para a realização das diversas atividades do projeto.

Conheça: Dicas de materiais e equipamentos utilizados na coleta de dados em campo

Todos os materiais de longa duração, utilizados para produzir outros bens e serviços, são considerados como materiais permanentes ou equipamentos. Em Inventários Florestais eles são classificados como: material permanente de escritorio, máquinas e equipamentos em geral, material bibliográfico, equipamentos para medições dendrométricas, equipamentos para medições e controle geral, equipamentos para interpretação de imagens e fotografias, material de cartografia e desenho, veículos automotores, entre outros.

 Outros Custos

Além dos custos já citados, podemos citar também, os custos das atividades administrativas, custos com planejamento, mapeamento, análise de dados, processamento de dados, relatório final, anotação de responsabilidade técnica, entre outros.

Orçamento do inventário florestal

O orçamento é a chave do sucesso para que o inventário seja realizado de maneira eficiente e com viabilidade econômica. Assim, é fundamental que ele seja elaborado de forma cuidadosa, cobrindo todos os itens previstos e ainda dando uma margem eventos não previstos. Ele deve prever folgas financeiras que possam cobrir fatalidades, evitando que o risco implique em prejuízo financeiro.

Para facilitar na elaboração dos orçamento do inventário florestal, principalmente para quem está começando a trabalhar na área de consultoria, elaboramos uma planilha básica para a elaboração do orçamento. É claro que ela deve ser adaptada de acordo com o projeto que será orçado, por isso, sinta-se a vontade para fazer modificações e adicionar outros fatores.

Para fazer o download da planilha clique no link abaixo.

 

Veja também:

Comentários

Sobre o autor

Fernanda Carvalho

Engenheira Florestal formada pela Universidade Federal de Viçosa. Continuou seus estudos na Technische Universität München, Alemanha, onde cursou disciplinas do Mestrado em Manejo de Recursos Sustentáveis com ênfase em Silvicultura e Manejo da Vida Selvagem. Dedicou grande parte da graduação a projetos de Educação Ambiental e pesquisas relacionadas a Celulose e Papel. Foi estagiária do Meio Ambiente Florestal da Fibria Celulose S/A trabalhando principalmente com Restauração Florestal e Formação Ambiental. Trabalhou com consultoria na Florestal jr, atuando principalmente em projetos de Inventário Florestal, Averbação de Reserva Legal e Mapeamento de Áreas. Atualmente trabalha como consultora do Software Mata Nativa na Cientec.